This Page is not available in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Politécnico de Setúbal revisita 'presença negra' na cidade

Aula passeio propõe uma reflexão sobre o racismo à luz da história

O Roteiro para uma Educação Antirracista, ciclo de conferências e debates promovido pela Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (ESE/IPS) ao longo de 2019, vai culminar, no próximo dia 29 de fevereiro, com uma "aula passeio" pela Setúbal da época moderna (séculos XV-XVIII) em busca dos vestígios da presença negra na cidade.

A visita guiada, organizada em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal, tem arranque marcado para as 14h00, na antiga Casa da Alfândega de Setúbal, hoje Biblioteca Municipal. Um local simbólico e que, desde logo, introduz o périplo ao revisitar um dos principais pontos de entrada dos escravos africanos em Portugal, a par dos portos de Lagos e Lisboa, que terão chegado a representar, no século XVI, cinco por cento do total da população residente.

Neste percurso com oito paragens pelo centro histórico da cidade, o que se pretende é criar "um espaço de educação não formal sobre o colonialismo português" e conduzir os participantes na descoberta de uma dimensão, até hoje oculta, da história de Setúbal, revelando o papel da população escrava para a formação do que é hoje este importante centro industrial, administrativo e cultural da Área Metropolitana de Lisboa, desde sempre ligado ao mundo.

Como explicam os docentes Ana Alcântara, Cristina Roldão e Carlos Cruz, autores do itinerário, dar a conhecer a história nacional e local, sem escamotear a prática da escravatura, é também uma forma de suscitar a reflexão sobre a "diversidade étnico-racial das nossas próprias origens", lançando "o debate sobre o (anti) racismo na sociedade e cultura setubalenses". "É preciso evidenciar a existência da população negra e das suas comunidades na cidade de Setúbal, de forma a que essa história seja levada em conta pelos agentes educativos, culturais, políticos, económicos e pelos cidadãos em geral", adiantam.

Da antiga Casa da Alfândega, a visita segue para a Igreja de Santa Maria da Graça (Sé), onde se sabe que recebeu batismo, no século XV, o príncipe Dyélen Ndiaye, governante do império Wolof (atual Senegal), naquela que foi a primeira conversão ao cristianismo de um soberano africano e que marcou o início de um novo ciclo de alianças diplomáticas entre Portugal e os reinos de África.

O percurso avança depois para a Casa do Corpo Santo, Convento de Jesus, construído também com mão de obra escrava, e Igreja da Anunciada, que corresponde à localização da Confraria de Nossa Senhora do Livramento, uma das várias comunidades criadas por africanos, e onde pode ser visto o busto de São Benedito, padroeiro de origem escrava a quem a população negra pedia proteção contra a malária que se propagava no estuário do Sado.   

Na Praça de Bocage, a paragem seguinte, revisita-se o antigo mercado da vila, provavelmente antigo palco das operações de compra e venda de pessoas escravizadas, e no Largo da Ribeira Velha, antiga localização do pelourinho, recorda-se como se aplicava a justiça, com penas diferenciadas para brancos e negros. O périplo chega ao fim na Galeria do Banco de Portugal, que acolhe quatro pinturas representando figuras negras.   




05 de fevereiro/2020

 

Opções
Últimas Notícias
Atualização COVID-19 | Plano de retorno dos serviços
Licenciaturas | oferta formativa, acesso, saídas profissionais
Prémio Inovação Jovem Engenheiro distingue docente do IPS
IPS na primeira linha das boas práticas de desenvolvimento sustentável
Pedro Dominguinhos toma posse 'em casa' na 1ª reunião presencial do CCISP